Governo do Distrito Federal
4/10/22 às 16h54 - Atualizado em 10/11/22 às 15h28

COMPARTILHAR

 

Outubro Rosa: vamos falar sobre o câncer de mama?

 

Reunimos as 10 perguntas mais frequentes sobre o câncer de mama para te ajudar a entender melhor a doença, a importância da prevenção e do diagnóstico precoce.

 

O que é?

É o tipo de câncer mais frequente entre as mulheres no Brasil. Nesta doença, ocorre um desenvolvimento anormal das células da mama, que se multiplicam repetidamente até formarem um tumor maligno.

 

Existem vários tipos de câncer de mama?

Sim, existem vários tipos de câncer de mama. Alguns se desenvolvem mais rápido, enquanto outros crescem lentamente. A maioria dos casos, quando tratados precocemente, apresentam bom prognóstico. Hoje em dia é fundamental que se obtenha o perfil de alguns genes (informações no DNA) dos tumores antes de tratá-lo, até mesmo antes da cirurgia. Isso chama-se medicina personalizada, cada paciente tem um tipo de tumor e esse deve ser tratado adequadamente a partir dessas informações genômicas. É importante salientar que os homens também podem ter câncer de mama, porém é raro, representando apenas 1% ou menos do total de casos da doença.

 

Como a mulher pode perceber a doença?

O sintoma do câncer de mama mais fácil de ser percebido pela mulher é um caroço no seio, acompanhado ou não de dor. A pele da mama pode ficar parecida com uma casca de laranja; também podem aparecer pequenos caroços embaixo do braço. Deve-se lembrar que nem todo caroço é um câncer de mama, por isso é importante consultar um profissional de saúde.

 

Como descobrir a doença mais cedo?

Toda mulher com 40 anos ou mais deve procurar um ambulatório, centro ou posto de saúde para realizar o exame clínico das mamas anualmente, além disso, toda mulher, entre 50 e 69 anos deve fazer pelo menos uma mamografia a cada dois anos. O serviço de saúde deve ser procurado mesmo que não tenha sintomas!

 

O que é o exame clínico das mamas?

É o exame das mamas realizado por médica(o) ou enfermeira(o) treinado para essa atividade. Neste exame poderão ser identificadas alterações. Se for necessário, será indicado um exame mais específico, como a mamografia.

 

O que é mamografia?

É um exame muito simples que consiste em um raio-X da mama e permite descobrir o câncer quando o tumor ainda é bem pequeno.

 

O que pode aumentar o risco de ter câncer de mama?

Se uma pessoa da família – principalmente a mãe, irmã ou filha – teve essa doença antes dos 50 anos de idade, a mulher tem mais chances de ter um câncer de mama. Quem já teve câncer em uma das mamas ou câncer de ovário, em qualquer idade, também deve ficar atenta. As mulheres com maior risco de ter o câncer de mama devem tomar cuidados especiais, fazendo, a partir dos 35 anos de idade, o exame clínico das mamas e a mamografia, uma vez por ano.

 

O que mais a mulher pode fazer para se cuidar?

Ter uma alimentação saudável e equilibrada (com frutas, legumes e verduras), praticar atividades físicas (qualquer atividade que movimente seu corpo) e não fumar. Essas são algumas dicas que podem ajudar na prevenção de várias doenças, inclusive do câncer.

 

O câncer pode voltar mesmo após a mulher ter “alta”?

Sim. O câncer pode retornar mesmo após a realização de um tratamento que tinha o objetivo de cura, chamamos isso de recidiva. Ela pode ser na mesma região (mama ou axila), ou pode surgir em outros órgãos do corpo, o que é conhecido como metástase. A probabilidade do câncer voltar é maior quanto maior for o estágio ao diagnóstico (tamanho do tumor e envolvimento de células malignas nos gânglios axilares).

 

O câncer de mama tem cura?

Sim, tem cura. Assim como praticamente todos os outros cânceres. Entretanto, a cura está relacionada de modo direto à possibilidade de se fazer um  diagnóstico precoce e a qualidade do tratamento recebido. Um tumor pequeno de mama pode ter chances de cura em até 95%.

 

Fonte: Biblioteca Virtual em Saúde – Ministério da Saúde.
FEMAMA

 

Data: 18/10/2022.

 

 

 

 

 

O câncer de mama é um tumor maligno que ataca o tecido mamário e é um dos tipos mais comuns. Ele se desenvolve quando ocorre uma alteração de apenas alguns trechos das moléculas de DNA, causando uma multiplicação das células anormais que geram o tumor. Há vários tipos de câncer de mama, sendo que alguns se desenvolvem mais rápido que outros. Nos estágios iniciais, a doença é assintomática.

 

Sinais de alerta

– Caroço (nódulo), geralmente endurecido, fixo e indolor;

– Pele da mama avermelhada ou parecida com casca de laranja, alterações no bico do peito (mamilo) e saída espontânea de líquido de um dos mamilos. Também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou na região embaixo dos braços (axilas).

 

Fatores de risco

Não há uma causa única para o câncer de mama. Diversos fatores estão relacionados ao desenvolvimento da doença entre as mulheres, como: envelhecimento, determinantes relacionados à vida reprodutiva da mulher, histórico familiar de câncer de mama, consumo de álcool, excesso de peso, atividade física insuficiente e exposição à radiação ionizante.

 

Como prevenir

 

Exames de rotina: o diagnóstico precoce é a melhor chance de detectar a doença, 95% dos casos identificados em estágio inicial têm possibilidade de cura. A mamografia, recomendada a partir dos 40 anos para mulheres que não tenham histórico familiar da doença, é o melhor exame para detectar o tumor.

 

Autoexame: a orientação atual é que a mulher faça a observação e a autopalpação das mamas sempre que se sentir confortável para tal, sem necessidade de uma técnica específica de autoexame.

 

Hábitos saudáveis: os hábitos saudáveis, aliados à realização de exames preventivos periódicos são a forma mais adequada de prevenir o câncer. As principais recomendações são alimentar-se  bem, priorizando alimentos não processados; manter o peso corporal equilibrado, realizar atividades físicas;  evitar o consumo de bebidas alcoólicas; cuidar da saúde emocional e mental; dormir bem;

 

Tratamento

O tratamento do câncer de mama é feito por meio de uma ou várias modalidades combinadas. O médico vai escolher o tratamento mais adequado de acordo com a localização, o tipo do câncer e a extensão da doença.

 

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece todos os tipos de cirurgia, como mastectomias, cirurgias conservadoras e reconstrução mamária, além de radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia e tratamento com anticorpos.

 

A lei nº 12.732, de 2012, estabelece que a paciente tem direito de se submeter ao primeiro tratamento no SUS, no prazo de até 60 dias a partir do dia em que for firmado o diagnóstico em laudo patológico ou em prazo menor, conforme a necessidade terapêutica do caso.

Com informações do Instituto Nacional do Câncer/INCA – Ministério da Saúde.                                                                                              

 

Confira as recomendações do Ministério da Saúde para o rastreamento do câncer de mama: https://www.inca.gov.br/noticias/confira-recomendacoes-do-ministerio-da-saude-para-o-rastreamento-do-cancer-de-mama

 

 

Data: 10/10/2022.

 

Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do Distrito Federal - Governo do Distrito Federal

INAS

SCS Setor Comercial Sul - Quadra 09, Loja 15 (Térreo), Edifício Parque Cidade Corporate. Asa sul - Brasília/DF. CEP: 70308-200